terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Termotécnica lança marca internacional para suas soluções de conservação de produtos frescos na FRUIT LOGISTICA 2020, em Berlim

Como parte da estratégia de aumentar participação no mercado externo, companhia apresenta em primeira mão na Alemanha a marca FarmFresh

As soluções de conservação da Termotécnica estão obtendo grande aceitação no agronegócio por valorizar a fruta brasileira permitindo atender mercados mais distantes, mantendo a qualidade e o frescor por mais tempo. Esse é o quarto ano que a empresa vem participando dos mais importantes eventos internacionais para o agronegócio.

Como parte da estratégia de aumentar participação no mercado externo, na edição de 2020 da Fruit Logistica Berlin, que acontece de 5 a 7 de fevereiro, a Termotécnica vai apresentar soluções de conservação pós-colheita com a nova marca FarmFresh. A iconografia da marca é a mesma utilizada para a linha DaColheita, mas o nome em inglês facilita o entendimento nos mercados mundiais e reforça o frescor que é o grande atributo das soluções.

O diretor Superintendente da Termotécnica, Nivaldo Fernandes de Oliveira, define o posicionamento da linha FarmFresh como um grande “companheiro de viagens” para as frutas cultivadas pelos produtores brasileiros chegarem em perfeito estado aos mercados exigentes como o europeu. “Ou seja, as nossas soluções pós-colheita garantem que depois que os produtores colham as frutas, elas sejam acondicionadas, transportadas, entregues e expostas aos seus clientes em diversos países com a mesma qualidade, frescor e cuidado do processo de cultivo e colheita.”

Marcando presença no Pavilhão Brasil junto a Abrafrutas (Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados), serão apresentadas as soluções da linha FarmFresh para acondicionamento de mamão, manga, limão Tahiti, abacate e a caixa para quatro cumbucas que atende várias culturas e permite também o porcionamento de frutas e outros vegetais frescos.

O momento e o local não poderiam ser mais propícios para esse lançamento, já que no último dia 18 de janeiro, os governos do Brasil e da Alemanha firmaram acordo de cooperação técnica no setor agrícola. O acordo foi assinado pelas ministras Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Julia Klöckner (Alimentação e Agricultura da Alemanha), em Berlim. “Esse acordo vai aproximar mais os dois países, trocaremos conhecimento e nós poderemos mostrar a tecnologia que desenvolvemos para criar a agricultura tropical brasileira”, disse Tereza Cristina. Ainda em Berlim, a Ministra teve reuniões bilaterais com Argentina, Holanda, Organização Mundial do Comércio (OMC) e com o diretor-geral da FAO, Dongyu Qu.

Soluções pós-colheita valorizam as frutas brasileiras nos mercados internacionais e combatem o desperdício de alimentos

Nesta verdadeira corrida contra o tempo, do produtor ao consumidor, as soluções pós-colheita da Termotécnica ampliam em até 30% o shelf-life das frutas mantendo suas propriedades nutricionais por mais tempo. Com tecnologia e designs patenteados, permitem alto isolamento térmico, facilidade no empilhamento e transporte. Isso representa também dias a mais com a fruta saudável nas gôndolas com muitas vantagens para o varejista.

Certificados por testes em laboratórios europeus (AgroTropical e HDG), esses resultados conferem redução de perdas e desperdício de alimentos, o que torna a linha Farm Fresh sustentável e adequada para acondicionar as frutas da colheita até o consumidor, reduzir a absorção de impactos no transporte e melhorar a exposição no varejo. “Apresentamos os resultados de testes e quantificamos os ganhos de acordo com cada realidade. Com a ampliação do shelf-life e todas as características de eficiência logística, como redução no frete, ajudamos os clientes a aumentar a competitividade e, consequentemente, seus volumes de venda e participação nos mercados em todo o mundo”, afirma Nivaldo de Oliveira.

E com a premiação WorldStar 2019, concedido pela WPO (World Packaging Organization), dos mais importantes reconhecimentos do mercado de embalagens, nas categorias Food e Save Food, a Termotécnica consolida-se como referência mundial em soluções pós-colheita contribuindo para que frutas, legumes e verduras (FLV) brasileiros ganhem mais destaque nos mercados internacionais e combatendo o desperdício de alimentos.
Inovação e Tecnologia pela Sustentabilidade
As soluções FarmFresh reforçam o compromisso da Termotécnica em desenvolver soluções de embalagens inovadoras, ativas e sustentáveis. O EPS é um material 100% reciclável formado por 98% de ar, não utiliza CFC e HCFC e por isso não gera danos à camada de ozônio. Por ser inerte, não prolifera fungos e bactérias. O seu processo requer baixíssima utilização de recursos naturais como água e energia, não contamina e não gera riscos à saúde e ao meio ambiente.

No ano passado, às vésperas de iniciar o fornecimento de embalagens para a exportação de frutas –, um dos produtos de maior valor agregado do agronegócio brasileiro –, a Termotécnica também reforçou suas parcerias com as empresas do Global Packaging Alliance, formada por dezenas de fornecedores que garantem a reciclagem de embalagens de EPS em países como Portugal, Espanha, Alemanha, Holanda, França, Reino Unido e Estados Unidos.

No Brasil, desde 2007, a Termotécnica realiza o Programa Reciclar EPS, com logística reversa e reciclagem do material em todo o Brasil. Já são mais de 40 mil toneladas de EPS pós-consumo que ganharam um destino mais nobre – ou seja, 1/3 de todo o material consumido no país.

Além da parceria próxima com os produtores e agentes de toda a cadeia logística, a Termotécnica amplia também o trabalho com os varejistas para aderirem ao Reciclar EPS e disponibilizarem ao consumidor final pontos de recolhimento para reciclagem deste material.

Com as soluções pós-colheita a Termotécnica contribui com ODS 12 (Objetivo do Desenvolvimento Sustentável) que tem a meta de cortar pela metade o desperdício de alimentos per capita mundial, nos níveis de varejo e do consumidor, e reduzir as perdas de alimentos ao longo das cadeias de produção e abastecimento.


Sobre a Fruit Logistica Berlin
Maior evento do comércio internacional de produtos frescos, todos os anos, a feira reúne 3.200 expositores e 78.000 visitantes de negócios. Cobre todos os setores do negócio de produtos frescos e fornece uma imagem completa das últimas inovações, produtos e serviços em todos os elos da cadeia de suprimentos internacional.

Sobre a Termotécnica
Aos 58 anos, a Termotécnica é uma das maiores indústrias transformadoras de EPS da América Latina e uma das empresas mais sustentáveis do Brasil, de acordo com o Guia Exame 2019. Empreendedora, produz desde soluções para Embalagens e Componentes, Conservação, Agronegócios, Cadeia de Frio, Movimentação de Cargas até itens para Construção Civil. Com matriz em Joinville (SC), possui unidades produtivas e de reciclagem em Manaus (AM), Petrolina (PE), Rio Claro (SP), São José dos Pinhais (PR) e Pirabeiraba (SC).

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

BASF conclui aquisição do negócio de poliamida da Solvay

• Capacidade ampliada de plásticos de engenharia permite soluções inovadoras
• Melhor acesso aos mercados de crescimento na Ásia e nas Américas
• Integração vertical consolidada cobre toda a cadeia de valor da poliamida 6.6 com acesso direto à matéria-prima ADN

Em 31 de janeiro de 2020, a BASF concluiu a aquisição do negócio de poliamida (PA 6.6) da Solvay. A transação amplia os recursos de poliamida da BASF por meio dos produtos inovadores e conhecidos, como os da marca Technyl®. Isso permite que a BASF ofereça a seus clientes um suporte ainda melhor em soluções de plásticos de engenharia como, por exemplo, para direção autônoma e mobilidade elétrica. A transação também reforça o acesso da empresa a mercados em crescimento na Ásia, América do Norte e América do Sul. Por meio da integração vertical com a principal matéria-prima, a adiponitrila (ADN), a BASF estará presente em toda a cadeia de valor da poliamida 6.6, incrementando sua confiabilidade em termos de fornecimento. O preço de compra do negócio de poliamida adquirido pela BASF, à vista e isento de dívidas totaliza € 1,3 bilhão, sendo que as vendas geradas em 2018 foram de aproximadamente € 1,0 bilhão. O negócio será integrado às divisões de Materiais de Performance e Monômeros da BASF.

"Com um portfólio mais amplo, uma presença regional mais forte e maior confiabilidade em termos de fornecimento, a BASF trará benefícios significativos aos nossos clientes", comentou Wayne T. Smith, membro da Junta Diretiva da BASF SE. "A aquisição representa o nosso forte compromisso com os negócios de poliamida globalmente".

A transação entre a Solvay e a BASF inclui oito unidades de produção na Alemanha, França, China, Índia, Coréia do Sul, Brasil e México, além de centros de pesquisa e desenvolvimento e centros de consultoria técnica na Ásia, América do Norte e do América do Sul. Além disso, engloba participações de duas joint ventures na França: a participação de 50% da Solvay na joint venture da Butachimie com a Invista, para a fabricação de adiponitrila (ADN) e hexametilenodiamina (HMD), e uma participação de 51% na nova joint venture Alsachimie entre a BASF e a DOMO Chemicals, para fabricação de ácido adípico.

Com a conclusão da transação, cerca de 700 colaboradores da Solvay ingressam na BASF. A joint venture da Alsachimie com a BASF e a DOMO Chemicals na França emprega aproximadamente 650 colaboradores e a joint venture Butachimie entre a BASF e a Invista possui aproximadamente 400 colaboradores.

Em setembro de 2017, a BASF assinou um acordo com a Solvay sobre a aquisição do negócio global de poliamida, sujeito à aprovação das autoridades antitruste relevantes. A Comissão da União Europeia aprovou a aquisição do negócio de poliamida, sob certas condições, em 18 de janeiro de 2019. Essas condições exigiram a venda de partes do escopo original da transação a terceiros, especificamente as plantas de produção da Solvay e os recursos de inovação no campo de plásticos de engenharia na Europa. A DOMO Chemicals, em Leuna, na Alemanha, foi aprovada pela Comissão da U.E como compradora. A transação entre a Solvay e a DOMO Chemicals também foi concluída em 31 de janeiro de 2020.

Sobre a BASF
Na BASF, criamos química para um futuro sustentável. Nós combinamos o sucesso econômico com proteção ambiental e responsabilidade social. O Grupo BASF conta com aproximadamente 122 mil colaboradores que trabalham para contribuir com o sucesso de nossos clientes em quase todos os setores e países do mundo. Nosso portfólio é organizado em 6 segmentos: Químicos, Materiais, Soluções Industriais, Tecnologias de Superfície, Nutrição e Care e Soluções para Agricultura. A BASF registrou vendas de € 63 bilhões em 2018. As ações da BASF são comercializadas no mercado de ações de Frankfurt (BAS) e como American Depositary Receipts (BASFY) nos Estados Unidos. Para mais informações, acesse: www.basf.com/br

Braskem Labs abre inscrições para a edição 2020

A plataforma conta com duas modalidades de programas de aceleração e atua na busca por soluções que causem impacto socioambiental positivo
Empreendedores de todo o Brasil podem se inscrever até 26 de fevereiro para participar dos programas de aceleração do Braskem Labs, plataforma de empreendedorismo de impacto da Braskem. Os interessados podem escolher entre as modalidades Scale e Ignition do programa, que buscam alavancar negócios que causem impacto positivo na sociedade. A inscrição é gratuita e pode ser feita por meio do site www.braskemlabs.com .

Aproveitando a experiência de mercado da Braskem, o Labs foca em empresas que considerem a química e/ou o plástico como parte da solução. Neste contexto, o Scale se dedica a startups em fase de tração e escala, ou seja, que estejam operacionais, tenham clientes e faturamento. Já o Ignition tem como propósito ser uma pré-aceleração para quem está na fase de validação de modelo de negócio.

Entre os critérios gerais para seleção estão o grau de inovação das soluções apresentadas, potencial de mercado, perfil do empreendedor e da equipe envolvida, modelo de negócio e impacto socioambiental gerado. É importante que os empreendedores tenham mais de 18 anos e disponibilidade para estar presente nos encontros realizados na cidade de São Paulo.

Marina Rossi, gerente de Desenvolvimento Sustentável da Braskem e responsável pelo Braskem Labs, explica que ambas as modalidades do programa buscam empresas que atuem em áreas diversas, como agronegócio, saúde, infraestrutura, mobilidade, biotecnologia e economia circular. "As startups possuem um grande potencial para trazer inovação para o nosso setor, contribuindo para encontrarmos novos caminhos para o desenvolvimento de negócios sustentáveis", afirma.

Para o desenvolvimento dos programas, a Braskem conta com o apoio do Quintessa, aceleradora dedicada a negócios de impacto social ou ambiental positivo. "O alinhamento de propósito que temos com o Quintessa é o que torna nossa parceria tão produtiva. Acreditamos que a experiência deles de mais de uma década acelerando negócios de impacto torna o Labs ainda mais robusto, agregando conhecimento aos empreendedores e aos integrantes da Braskem envolvidos no projeto", comenta Marina.

Na prática, os programas do Braskem Labs combinam capacitação e mentoria, por meio de encontros individuais e em grupo. As empresas selecionadas participam da aceleração por cerca de cinco meses e recebem, entre outros itens, diagnóstico de negócio, apoio personalizado, acesso a uma rede diversa de mentores Quintessa e de executivos da Braskem, networking com conexão a potenciais clientes e parceiros estratégicos do mercado. Ao final do programa, ainda há a oportunidade de se apresentar para investidores e possíveis clientes.

"Além de tudo, o modelo de atuação do Labs é equity free. Este diferencial reforça nossa posição em prol da contribuição inovadora e positiva com nosso setor e com toda a sociedade", explica Marina. "Vale destacar que as conexões geradas durante o programa são totalmente espontâneas, sejam entre os empreendedores ou conosco. Neste sentido, mais de 25% das empresas participantes fizeram algum tipo de negócio com a Braskem", finaliza.

Para Anna de Souza Aranha, diretora do Quintessa, os programas do Braskem Labs se destacam perante outros oferecidos no mercado: "eles têm uma proposta de valor única, mesclando conteúdos e metodologias do Quintessa, sessões de mentoria com executivos da Braskem, apoio personalizado e individualizado dos nossos gestores, além de acessarem o mercado com o endosso da Braskem. Além disso, é uma relação ganha-ganha, pois do outro lado, estes negócios possuem potencial para ser fonte de inovação em novos produtos, mercados e formas de relacionamento para a Braskem -- tendo o impacto positivo como premissa. Acredito que o Braskem Labs é um grande exemplo de inspiração para outras grandes empresas que desejam se aproximar do ecossistema empreendedor".

Mais informações sobre o Braskem Labs podem ser obtidas no site www.braskemlabs.com .

Sobre a Braskem
Os 8 mil Integrantes da Braskem se empenham todos os dias para melhorar a vida das pessoas por meio de soluções sustentáveis da química e do plástico, engajados na cadeia de valor para o fortalecimento da Economia Circular. Com 41 unidades industriais no Brasil, EUA, México e Alemanha e receita líquida de R$ 58 bilhões (US$ 15,8 bilhões), a Braskem possui produção anual de mais de 20 milhões de toneladas de resinas plásticas e produtos químicos e exporta para Clientes em aproximadamente 100 países.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

Tramontina dispõe de Painel Móvel com Tomadas para atmosferas explosivas

Os Painéis Móveis da Tramontina atendem a todos os tipos de instalações elétricas realizadas em atmosferas explosivas, especialmente em refinarias, usinas, plataformas, silos e indústrias alimentícia, química, farmacêutica, etc
A Tramontina, por meio de sua divisão Ex - dedicada a produtos para atmosferas explosivas – dispõe do Painel Móvel com Tomadas para Atmosferas Explosivas. São várias versões, fabricados em aço inox, aço carbono, poliéster ou liga de alumínio, para atender aos mais diversos tipos de ambientes.

O portfólio de Painéis Móveis para atmosferas explosivas pode ser aplicado em refinarias, usinas, plataformas, silos e indústrias alimentícia, química, farmacêutica, etc.

Os Painéis Móveis são projetados de forma dedicada para atender às necessidades do projeto do ambiente e de seus usuários, contemplando a montagem com equipamentos e componentes internos. São aplicados em zonas 1, 2, 21 e 22 e grupos IIC e IIIC, com grau de proteção IP66 - que possibilita a instalação com segurança em ambientes externos, sob sol e chuva, podendo ainda ser utilizados em ambientes com grande incidência de poeira e em locais suscetíveis a jatos potentes de água.

As soluções podem ser fornecidas com bornes, acionamentos de comando e sinalização, amperímetros, voltímetros, disjuntores, contadores, relés, proximitors, barreiras isoladoras, barreiras zener, condicionadores de sinal, repetidores digitais e analógicos, drivers digitais e analógicos, monitor de velocidade, conversores de sinais, monitores de movimento, entre outros, todos com certificados para Atmosfera Explosiva no âmbito SBAC.

Os produtos da Tramontina Ex atendem às normas brasileiras da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e estão em concordância com as normas internacionais IEC (International Electrotechnical Commission).

Tramontina, o prazer de fazer bonito
A Tramontina acredita que tudo o que é feito com carinho é especial. Por isso, gosta tanto do bem-estar que as pessoas sentem quando preparam algo com as próprias mãos, quando a receita dá certo, quando veem o jardim florido ou a bicicleta do filho consertada. Essa filosofia nasceu há mais de 100 anos com Valentin Tramontina em sua pequena ferraria. Ainda hoje é mantida pela empresa, honrando os valores pelos quais foi criada e estimulando seus 8 mil funcionários para que os consumidores tenham um mix de mais de 18 mil itens entre utensílios e equipamentos para cozinha, eletros, ferramentas para agricultura, jardinagem, manutenção industrial e automotiva, construção civil, além de materiais elétricos e móveis de madeira ou de plástico, além da ampla linha de equipamentos dirigíveis. A Tramontina tem, nos Centros de Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento, um valioso suporte. Os parceiros de mercado também podem contar com cinco centros de logística e cinco escritórios regionais de vendas no Brasil para satisfazer, com agilidade, os seus clientes. Além disso, uma atuação sustentável faz com que a Tramontina faça bonito também em suas comunidades e no cuidado com o meio ambiente, valores que acompanham a marca no Brasil e nos diferentes continentes onde está presente com 16 unidades internacionais. Hoje, a Tramontina exporta para mais de 120 países. Tudo isso nos motiva. Um prazer estampado com orgulho no que a gente faz. Que nos faz criar, fazendo a diferença para a marca e seus consumidores. Esse é o nosso prazer de fazer bonito.

Saiba por que a Eletrik faz bonito
Fundada em 1976, na cidade de Carlos Barbosa (RS), a Tramontina Eletrik oferece o melhor em segurança, design e soluções técnicas em materiais elétricos para instalações residenciais, comerciais e industriais. Nos últimos anos, a empresa vem aplicando sua expertise de mais de 40 anos na ampliação de seu portfólio e investindo no lançamento de linhas de produtos em novos segmentos. 2018 marcou a entrada da marca no segmento de lâmpadas LED. Em anos anteriores, a empresa investiu em linhas de disjuntores e quadros de distribuição, além de divisões dedicadas aos setores de atmosferas explosivas e injeção de alumínio sob encomenda. Seu moderno parque fabril ocupa uma área construída de 40 mil m², conta com 13 células de injeção de alumínio e 18 de injeção de plástico, e possui capacidade instalada para processar 3.000 toneladas/ano de alumínio e outras 3.000 toneladas/ano de plástico, estando apta a fabricar mais de 7 mil itens dentro dos mais altos padrões de qualidade e precisão, sempre com matérias-primas certificadas. Desempenho, segurança e estética estão alinhados em todos os produtos para que o consumidor possa fazer bonito ao utilizá-los.

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Vendas de pneus fecham 2019 com queda de 0,1%

Já o mês de dezembro encerrou com queda de 8,6% em decorrência da baixa demanda do mercado de montadoras e reposição

São Paulo, janeiro de 2020 - Em 2019, as vendas de pneu apresentaram uma queda de 0,1% em relação ao ano de 2018, somando 59.486.917 unidades comercializadas. Apesar do ano não ter mostrado avanço na comparação com o anterior e o cenário econômico não indique crescimento, é possível manter um moderado otimismo para 2020, uma vez que as montadoras estimam uma ligeira alta na sua produção.

Considerando apenas o mês de dezembro, a indústria nacional de pneumáticos teve uma queda de 8,6% em comparação ao mesmo período de 2018. O resultado se deve às baixas de 33,5% nas vendas para montadoras, acompanhando a queda na produção de veículos no último mês do ano, e de 6,5% nas vendas do mercado de reposição. Somente as vendas de pneus de carga (1,8%) e motos (0,8%) registraram avanço, enquanto as de pneus de passeio (-0,3%) e de comerciais leves (-3,9%) apresentaram resultados negativos. Com isso, o mês de dezembro fechou com um total de 4.403.766 unidades comercializadas.

Todos os dados fazem parte do levantamento setorial divulgado pela ANIP (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos).


Kurt Politzer premia microbaterias seguras e sustentáveis

O vice-presidente do Conselho Diretor da Abiquim Manfredo Rübens (BASF); os pesquisadores Frank Nelson Crespilho e Graziela Sedenho; o vice-presidente do Conselho Diretor da Abiquim, Eduardo Knust (Artecola); e o coordenador da Comissão de Tecnologia da Abiquim, Rafael Pellicciotta, na entrega do Prêmio Kurt Politzer de Tecnologia durante o ENAIQ 2019

O vice coordenador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP), Polo São Carlos e coordenador do Grupo de Bioeletroquímica e Interfaces da USP, Frank Nelson Crespilho, e a aluna de doutorado em Físico-Química do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP, Graziela Sedenho, venceram a categoria “Pesquisador” do Prêmio Kurt Politzer de Tecnologia, entregue no Encontro Anual da Indústria Química (ENAIQ), em dezembro de 2019, com o trabalho “Baterias orgânicas e organometálicas não corrosivas, seguras, sustentáveis e com baixa toxicidade”.

O trabalho teve a colaboração dos pesquisadores Michael Aziz e Roy Gordon da Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, e consiste em uma microbateria com potencial para aumentar a segurança em dispositivos médicos.

A microbateria revestida de silicone é feita a base de agarose, um biopolímero constituído de açúcar, que pode ser extraído de algas marinhas, e é capaz de gerar cerca de 0,75 volts.

Para viabilizar a produção de energia, os pesquisadores investigaram duas moléculas eletroquimicamente ativas compostas de carbono, nitrogênio e hidrogênio, ou seja, elementos abundantes na Terra. Essas moléculas foram sintetizadas em parceria com os pesquisadores norte-americanos e inseridas na gelatina, onde passaram a reagir e gerar eletricidade.

Por ser produzida a partir de gelatina vegetal a microbateria é menos tóxica que as baterias tradicionalmente usadas na área de saúde, feitas de prata ou lítio, e pode ser assimilada pelo organismo em caso de rompimento e ser descartada sem prejuízos ao meio ambiente. Segundo a pesquisadora Sedenho, além das baterias desenvolvidas com gelatina vegetal, outros hidrogéis naturais e novas moléculas vêm sendo testados na USP. “Estamos com duas novas configurações de bateria sendo desenvolvidas em nossos laboratórios, por exemplo, que são promissoras para gerar cerca de 1,0 volt. Estamos também inovando na automatização da produção utilizando impressão 3D, o que coaduna com as perspectivas da Indústria Química 4.0”, complementa a pesquisadora Graziela Sedenho.

“As perspectivas para este e para os próximos anos são positivas. Demos um passo inicial na prova de conceito da funcionalidade das microbaterias para a área biomédica e para sua aplicação em outros dispositivos que requerem mais energia. Atingimos os patamares na etapa de laboratório e constatamos que poderíamos direcionar a produção em escala industrial com alguns ajustes no produto para melhorar e otimizar a bateria ao mercado. Já estamos buscando parceiros no Brasil e no exterior para que haja a transferência da tecnologia e o scale up”, afirma Crespilho.
(Fonte: Abiquim Informa)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Inovação e tecnologia para soluções médicas personalizadas

Tecnologia tridimensional capaz de modificar a vida das pessoas faz parte do desenvolvimento de produtos da CPMH, empresa confirmada na Medical Fair Brasil 2020

A CPMH é uma empresa de produtos inovadores para área de saúde, com uso de tecnologias tridimensionais nas análises pré cirúrgicas, desenvolvimento de implantes sob medida fabricados em PEEK (polieteretercetona), titânio e PMMA (polimetilmetacrilato), biomodelos pré cirúrgicos para melhores diagnósticos e decisões de condutas no procedimento cirúrgico, caso seja indicado.

Durante a Medical Fair Brasil (MFB), edição brasileira da MEDICA, que ocorre de 5 a 8 de maio no Expo Center Norte, em São Paulo, a empresa estará expondo seus produtos como: Implantes sob medida; Dispositivo para coluna vertebral; Fixadores ortopédicos; Radiofrequência para tratamento da dor ortopedica – Diros; Ancorfix (sistema avançado para ancoragem ortodôntica); Implantes para harmonização facial (smartmolds); Próteses para cranioplastia sob medida em PEEK, PMMA e titânio (Fastmold), Impressora 3D (Formlabs).

Em setembro passado a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou no Diário Oficial da União (DOU) certificação atendendo a normativa RDC nº 305/2019 para a fabricação de implantes ortopédicos sob medida, podendo realizar também a exportação de maneira segura dos seus implantes personalizados. A principal novidade trazida pela Resolução foi justamente o estabelecimento das definições de nomenclatura, e suas respectivas diferenças, para os dispositivos médicos personalizados.