domingo, 21 de julho de 2019

PICPlast: Novos ares para o Nordeste transformador

Em parceria com a Fundação Dom Cabral, o PICPlast promoveu em Recife o seminário Vendas e Mercado?. O treinamento contou com a presença da consultora da FDC, Áurea Ribeiro, e do responsável por Novos Negócios da Braskem, Ederson Matos. Estiveram em pauta temas importantes sobre as estratégias de negócio e conceitos de Economia Circular aplicados à cadeia do plástico.
Com o apoio do Simpepe (Sindicato da Indústria de Material Plástico do estado de Pernambuco) e do Sinplast (Sindicato das Indústrias de Plásticos e Tintas do estado de Alagoas), o evento contou com a participação de mais de 40 empresas, tanto do Recife quanto de cidades do interior do estado e de outras regiões do Nordeste do país.

Logística reversa
O tema da logística reversa gerou um intenso debate entre os transformadores que compareceram ao seminário. O palestrante Ederson Matos ficou bastante impressionado com a proatividade e o interesse de todos, considerando que muitos dos executivos que participaram do treinamento possuíam cargos de alta liderança em suas empresas.
Empresa veterana em participações nos eventos do PICPlast, a Ruplast já aplica em seus processos a prática de reaproveitar resíduos para a fabricação de subprodutos. O diretor Marcello Rushansky conta que essa iniciativa partiu de um de seus clientes:






Os processos de reciclagem também já fazem parte da estrutura da Samplás há bastante tempo. Para o diretor comercial Marcos Sampaio, as empresas em geral não têm a dimensão correta da importância de se ter um produto sustentável. Para o transformador, a troca de informações sobre logística reversa só confirmou que a empresa está no caminho certo para continuar crescendo.







"Água mole em pedra dura"...
A palestra da consultora Áurea Ribeiro trouxe números e dados sobre a relação entre custo e produtividade, mostrando que nem sempre o comprador mais frequente é o melhor cliente. Para a gerente executiva do Simpepe, Solange Macedo, criar uma cultura de eventos e palestras dedicados à cadeia do plástico geraria maior competição entre os transformadores da região.






Gilvan Severiano Leite, presidente do Sinplast, reforça a importância de eventos e treinamentos como os realizados pelo PICPlast.







(Fonte: PICPlast)

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Braskem renova parceria com startup francesa especializada em desenvolvimento de microrganismos


Acordo prevê cultivo automático de microrganismos para pesquisa e desenvolvimento em químicos renováveis


São Paulo, 10 de julho de 2019 - Em linha com seu compromisso em prol do desenvolvimento sustentável, a Braskem, maior produtora mundial de biopolímeros, anuncia a renovação da parceria com a Altar, startup francesa especializada no desenvolvimento de linhagens de microrganismos em sistemas automáticos de cultivo. A parceria, iniciada há dois anos, fortalece a estratégia da companhia em pesquisa e desenvolvimento de químicos renováveis.

Segundo Iuri Gouvea, coordenador de Biotecnologia da Braskem, a tecnologia compartilhada pela Altar auxilia na automatização do cultivo de linhagens de microrganismos, sem interferência humana, possibilitando o desenvolvimento de características importantes que não seriam possíveis por meio de uma técnica manual. "Os microrganismos funcionam como biofábricas e têm apresentado rotas mais sustentáveis para a indústria química e do plástico. A parceria com a Altar complementa nossas propostas de biotecnologia e permite a pesquisa e o desenvolvimento de soluções mais inovadoras e sustentáveis para a cadeia onde estamos inseridos", afirma Gouvea.

Para Simon Trancart, CEO da Altar, o acordo entre as duas empresas permite o avanço de ferramentas muito importantes para o desenvolvimento da biotecnologia no mundo. "A Altar vem trabalhando com a Braskem nos últimos dois anos como facilitadora dos seus projetos de engenharia metabólica e nós temos boas expectativas para a parceria multiprojeto com uma líder global em química sustentável", afirma Trancart.

Um dos pilares da estratégia da Braskem para o desenvolvimento sustentável é construir um portfólio de produtos de matérias-primas renováveis. Protagonista neste setor, a empresa, que já comercializa polietileno verde e EVA verde, ambos produzidos a partir da cana-de-açúcar, acredita no potencial dos biopolímeros como ferramenta de captura de carbono, contribuindo para a redução na emissão de gases causadores do efeito estufa.

O trabalho em parceria com a Altar contribui com a capacidade de engenharia metabólica da Braskem no Centro de Pesquisa em Química Renovável em Campinas (SP), assim como nos centros de Pesquisa e Desenvolvimento em Triunfo (RS), Pittsburgh (EUA) e Boston (EUA). "A renovação da parceria nos possibilita trabalhar com os mais diversos conjuntos de projetos e contribui para reforçar a nossa posição de protagonistas na química do futuro", finaliza Gouvea.
Sobre Altar
Localizada em Evry, na França, a Altar, antiga Heurisko, é uma empresa privada de biotecnologia que se dedica ao desenvolvimento de cepas microbianas, utilizando uma plataforma fluídica proprietária para o cultivo automatizado de células. Sua tecnologia exclusiva aproveita a seleção natural para o desenvolvimento de cepas robustas com desempenho aprimorado. A Altar opera como prestadora de serviços para empresas de biotecnologia e desenvolve cepas proprietárias, sozinhas ou em colaboração com parceiros. www.altar.bio
Sobre a Braskem
Os 8 mil Integrantes da Braskem se empenham todos os dias para melhorar a vida das pessoas por meio de soluções sustentáveis da química e do plástico, engajados na cadeia de valor para o fortalecimento da Economia Circular. Com 41 unidades industriais no Brasil, EUA, México e Alemanha e receita líquida de R$ 58 bilhões (US$ 15,8 bilhões), a Braskem possui produção anual de mais de 20 milhões de toneladas de resinas plásticas e produtos químicos e exporta para Clientes em aproximadamente 100 países.

Setor químico apoia compromisso firmado entre Cade e Petrobras


Acordo promoverá a concorrência no mercado de gás natural e abertura do setor


A Abiquim apoia o Termo de Compromisso de Cessação homologado entre o Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade e a Petrobras, no dia 8 de julho, que deverá estimular a concorrência no mercado de gás natural e, consequentemente, promover uma abertura no setor.

Segundo a Abiquim, o acordo entre Cade e Petrobras contribui para a efetivação do Programa Novo Mercado do Gás. Ele gera a possibilidade da entrada de novos players no mercado, o que tornará o setor mais competitivo, e a cadeia produtiva poderá explorar seu potencial de produção de gás natural, isso permitirá à indústria química, maior consumidora do gás natural no País, ter acesso a energia e matéria-prima a preços competitivos com os do mercado internacional.

"O desenvolvimento efetivo do mercado livre de gás com independência, a desverticalização do transporte e a abertura do mercado são alguns dos pleitos antigos da entidade para aumentar a competitividade da indústria química nacional", explica o presidente-executivo da Abiquim, Fernando Figueiredo.

A perspectiva do setor químico é que o aumento da competitividade promova a redução no preço do gás natural para o consumidor residencial e industrial, atraindo investimentos em todos os setores da economia.

Pelos termos do acordo firmado entre Cade e Petrobras, a estatal precisará vender as transportadoras: Nova Transportadora do Sudeste (NTS), Transportadora Associada de Gás (TAG) e Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), além de alienar sua participação acionária indireta em companhias distribuidoras, alienando suas ações na Gaspetro ou buscando a alienação da participação da Gaspetro nas companhias distribuidoras.

O desinvestimento deve ser concluído até 31 de dezembro de 2021. O prazo poderá ser estendido por um ano, a critério do Cade, desde que o pedido de prorrogação seja devidamente justificado pela Petrobras. Os novos compradores dos ativos da estatal não poderão possuir participação societária da Petrobras ou de suas empresas afiliadas, terem recursos financeiros para manter e desenvolver esses ativos para aumentar a competição no mercado e serem independentes em relação aos agentes dos demais elos da cadeia de gás natural. (Fonte: "Abiquim Informa")

terça-feira, 9 de julho de 2019

Simplás define nova diretoria para o triênio 2019 – 2022

A partir de 1º de agosto, Gelson de Oliveira será o presidente da entidade, sucedendo a duas gestões sob o comando de Jaime Lorandi


Gelson de Oliveira - Presidente Simplás 2019-2022


De 1º de agosto de 2019 a 31 de julho de 2022, a presidência do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) estará a cargo do empresário Gelson de Oliveira (foto). Diretor da Natiplast Tecnologia em Polímeros, 66 anos, ele sucede a Jaime Lorandi, 59 anos, diretor da Plásticos Itália, que finaliza duas gestões no comando e então passa a integrar o Conselho Fiscal do sindicato. O pleito e a apuração dos votos ocorreram dia 26 de junho, na sede do Simplás, em Caxias do Sul (RS).
As vice-presidências da entidade no período serão ocupadas por Eugênio Misturini, 44 anos, atual tesoureiro do sindicato e diretor da Lineform, e Orlando Marin, 61 anos, integrante da atual diretoria e presidente por três gestões consecutivas anteriormente, diretor da Plasmosul. A nominata executiva se completa com Leocádio Nonemacher (Sulbras – 1º secretário), Paulo Francisco Weber (Pisani – 2º secretário), Mateus Bertolini Sonda (Plasmosul – 1º tesoureiro) e Jones Pellini (Kaballa – 2º tesoureiro).
O termo formal de posse será assinado na reunião-almoço da Câmara de Indústria Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul (RS) do dia 5 de agosto e a solenidade de posse, com pronunciamento oficial do novo presidente, ocorrerá na noite de 23 de agosto, durante o jantar de outorga do Mérito Plástico Pietro Zanella e comemorativo aos 30 anos do Simplás.

Sobre o Simplás 
O Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) representa mais de 400 empresas de transformação que geram cerca de 9,5 mil empregos diretos em oito municípios (Caxias do Sul, Coronel Pilar, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Nova Pádua, São Marcos e Vale Real), com estimativa de faturamento anual superior a R$ 3 bilhões. Segundo a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), pelo número de empresas instaladas, a região concentra o segundo maior polo de transformação de material plástico do país. E figura entre as cinco maiores geradoras de empregos do setor no Brasil. Em 2019, o Simplás completa 30 anos de fundação.

Crédito da foto: Júlio Soares – Objetiva Fotografia

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Braskem é reconhecida nos EUA por Liderança em Sustentabilidade

A multinacional brasileira foi reconhecida pelo Conselho Norte-Americano da Química (ACC) com prêmio inédito por sua atuação em prol da Economia Circular

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas e líder mundial na produção de biopolímeros, foi reconhecida pelo American Chemistry Council's (ACC) (Conselho Norte-Americano da Química) com o prêmio inédito Liderança em Sustentabilidade, na categoria "Environmental Protection & Circularity" ("Proteção Ambiental e Circularidade"). A atuação da companhia em prol da Economia Circular foi reconhecida por conta da parceria com o time de futebol americano Philadelphia Eagles, anunciada em 2018.

Desenvolvido pelo ACC, o prêmio tem o objetivo de reconhecer conquistas e contribuições para três áreas: Transparência e Colaboração; Proteção Ambiental e Circularidade; e Contribuições para a Sociedade. A categoria em que a Braskem foi reconhecida considera iniciativas como a redução mensurável de emissões de gases de efeito estufa e poluentes em processos produtivos; contribuições para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável; esforços para melhorar a conservação de materiais e recursos; e ações em prol da redução de resíduos por meio da recuperação, reúso e/ou reciclagem. O júri que avalia os projetos inscritos é independente e composto por cinco especialistas em sustentabilidade.

A Braskem e o Philadelphia Eagles se uniram para contribuir com o desenvolvimento de soluções ecologicamente corretas para comunidades em toda a região da Filadélfia. Juntos, iniciaram um programa de coleta e reciclagem para tampas e garrafas e outros produtos plásticos utilizados no estádio Lincoln Financial Field e no centro de treinamento do time. Até agora, foram recolhidas e destinadas para reciclagem mais de 300 mil tampas de garrafas.

O acordo de cooperação inclui, ainda, uma plataforma de educação on-line para 30 escolas públicas da região da Filadélfia, na Pensilvânia, que visa desenvolver líderes nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática.

"Ficamos honrados com reconhecimento do Conselho Norte-Americano de Química. Temos muito orgulho da parceria com o Philadelphia Eagles, que promove a Economia Circular e colabora com a inspiração profissional de alunos de toda a região da Filadélfia. Buscamos apoiar iniciativas em prol do desenvolvimento sustentável em todas as regiões onde operamos e reconhecimentos como este indicam que estamos no caminho certo", comenta Mark Nikolich, responsável pela Braskem nos Estados Unidos.

Com atuação global, a Braskem possui 41 unidades industriais entre Brasil, Estados Unidos, Alemanha e México. A companhia promove ações em prol da Economia Circular em todos os países em que atua.

Sobre a Braskem
Os 8 mil Integrantes da Braskem se empenham todos os dias para melhorar a vida das pessoas por meio de soluções sustentáveis da química e do plástico, engajados na cadeia de valor para o fortalecimento da Economia Circular. Com 41 unidades industriais no Brasil, EUA, México e Alemanha e receita líquida de R$ 58 bilhões (US$ 15,8 bilhões), a Braskem possui produção anual de mais de 20 milhões de toneladas de resinas plásticas e produtos químicos e exporta para Clientes em aproximadamente 100 países.

quinta-feira, 6 de junho de 2019

BASF construirá fábricas de plásticos de engenharia e poliuretanos termoplásticos em nova planta na China

Projeto das primeiras fábricas do site integrado Verbund, com investimento de $ 10 bilhões de dólares em Zhanjiang, está progredindo rapidamente.

Materiais de performance avançados ajudam os fabricantes de materiais eletrônicos, bens de consumo e montadoras a reduzir o peso, melhorar a segurança e a eficiência.

A BASF planeja construir fábricas de plásticos de engenharia e de poliuretano termoplástico (TPU) no seu site de produção integrada de químicos "Verbund" em Zhanjiang, na China. Estas serão as primeiras fábricas de produção a entrar em operação no site. A nova fábrica adicionará uma capacidade de 60 mil toneladas por ano de plásticos de engenharia da BASF na China até 2022, elevando a capacidade total da BASF desses produtos na Ásia-Pacífico para 290 mil toneladas por ano. Como parte do plano da empresa de implementar um conceito abrangente de produção inteligente em sua planta industrial Verbund, com base em tecnologias de ponta, as novas fábricas utilizarão sistemas automatizados de controle para embalagens com alta tecnologia e veículos guiados automaticamente.
"Menos de um ano após assinarmos o primeiro Memorando de Entendimento, temos o prazer de anunciar as primeiras fábricas a serem instaladas em nosso site inteligente Verbund em Zhanjiang", afirma Stephan Kothrade, presidente das regiões Ásia-Pacífico e Grande China. "O projeto está avançando rapidamente e os clientes no sul da China logo serão beneficiados com esses produtos inovadores para atender às suas necessidades imediatas".
A infraestrutura geral da planta Verbund em Zhanjiang será construída junto com as fábricas. A BASF Integrated Site (Guangdong) Co. Ltd (BIG), nova subsidiária integral da BASF, foi oficialmente fundada. Esta entidade supervisionará as operações do novo site Verbund, fortalecendo o compromisso da BASF com o mercado do sul da China.
"Queremos melhorar nosso suporte para os clientes no mercado do sul da China e em todo o mundo. Faremos isso por meio das novas fábricas que serão instaladas perto das indústrias em crescimento de clientes, permitindo maior eficiência com base na nossa produção inteligente. Assim, aumentaremos a velocidade de inovação e eficiência de nossos serviços", comenta Raimar Jahn, presidente da divisão de Materiais de Performance da BASF. "As empresas fabricantes de materiais elétricos e eletrônicos e montadoras estão recorrendo à BASF para ajudá-los a lidar com tendências como, por exemplo, a eletrificação de carros e miniaturização de dispositivos eletrônicos".
O crescimento do mercado de TPU, principalmente para aplicações de tecnologias avançadas, dá-se por vários fatores, incluindo o aumento de requisitos regulatórios e as crescentes expectativas dos clientes para melhorar o desempenho de sustentabilidade em áreas como mobilidade elétrica, diminuição de peso e automação. As soluções da BASF dão condições para este crescimento através de cabos e fios com segurança aprimorada para automação, materiais automotivos e materiais leves para bens de consumo. Com as necessidades dos clientes evoluindo rapidamente em todo o mundo, a BASF está alavancando seu investimento em mercados emergentes visando atender às necessidades locais e continua investindo em economias desenvolvidas.
Em julho de 2018 a BASF assinou em Berlim o primeiro Memorando de Entendimento, referente ao site Verbund, com o governo da província de Guangdong e em janeiro de 2019, a empresa assinou um acordo estrutural estabelecendo maiores detalhes acerca do plano. O site Verbund em Guangdong será o maior investimento da BASF, estimado em até $ 10 bilhões de dólares após a conclusão, operando sob a responsabilidade exclusiva da BASF. A cadeia de valor integrada conectará as fábricas upstreame downstream, com uma gama que vai desde químicos básicos a produtos e soluções mais orientados para o consumidor, atendendo setores de crescimento como bens de consumo ou transporte. O site deverá ser o terceiro maior da BASF em todo o mundo, seguido por Ludwigshafen, na Alemanha, e Antuérpia, na Bélgica.

Sobre a divisão de Materiais de Performance
"A divisão de Materiais de Performance da BASF engloba todo know-how de materiais da BASF em relação aos plásticos inovadores e personalizados. Mundialmente ativa em quatro grandes setores da indústria - transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo - a divisão tem um amplo portfólio de produtos e serviços combinados com um profundo entendimento de soluções de sistema orientadas para a aplicação. A estreita colaboração com os clientes e um grande foco em soluções são os principais fatores de lucratividade e crescimento. A sólida competência em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) fornece a base para o desenvolvimento de produtos inovadores e aplicações. Em 2018, a Divisão de Materiais de Performance alcançou vendas globais de € 7,65bi." Para mais informações, acesse: www.performance-materials.basf.com.

Sobre a BASF
"Na BASF criamos química para um futuro sustentável. Nós combinamos o sucesso econômico com proteção ambiental e responsabilidade social. O Grupo BASF conta com aproximadamente 122 mil colaboradores que trabalham para contribuir com o sucesso de nossos clientes em quase todos os setores e países do mundo. Nosso portfólio é organizado em 6 segmentos: Químicos, Materiais, Soluções Industriais, Tecnologias de Superfície, Nutrição e Care e Soluções para Agricultura. A BASF registrou vendas de € 63 bilhões em 2018. As ações da BASF são comercializadas no mercado de ações de Frankfurt (BAS) e como American Depositary Receipts (BASFY) nos Estados Unidos." Para mais informações, acesse: www.basf.com.


segunda-feira, 3 de junho de 2019

Terphane lança, globalmente, a linha ‘Ecophane’ de filmes sustentáveis



O principal diferencial dos novos filmes é a composição com 30% ou mais 
de PET reciclado, pós consumo, grau alimentício.

A Terphane (www.terphane.com), líder em filmes PET (poliéster) na América Latina e um importante player mundial, saiu mais uma vez à frente e lançou, globalmente, a linha Ecophane de filmes sustentáveis. Os novos filmes estão alinhados à uma demanda crescente do mercado global por filmes que garantam a produção de embalagens recicláveis e com conteúdo reciclado. No Brasil, o poliéster é a única resina que, após reciclada, pode ser usada na produção de novas embalagens, inclusive para contato com alimentos.

“A linha Ecophane é o resultado de extensivas pesquisas e muita tecnologia de ponta aplicada ao seu desenvolvimento. Conseguimos criar um filme PET com no mínimo 30% de PCR (PET reciclado pós consumo) em sua composição”, explica Marcos Vieira, Diretor de P&D Global da Terphane. Esta expertise tecnológica resultou em mais de 10 tipos de filmes da linha Ecophane, disponíveis para as mais diversas aplicações.

Além de garantirem um menor uso de matérias-primas virgens, os novos filmes da linha Ecophane, da Terphane, estão inseridos no conceito de Economia Circular: o PET descartado na forma de embalagens ou outros itens é coletado, reciclado e volta a ser embalagem.

“O desenvolvimento da linha Ecophane não vai ao encontro apenas das métricas de sustentabilidade estabelecidas pela Terphane, mas atende a uma busca dosbrand owners que querem associar suas marcas e produtos a embalagens cada vez mais sustentáveis”, completa André Gani, Diretor de Vendas & Marketing daTerphane. A Terphane estabeleceu como prioridades em sua jornada de sustentabilidade, ações ambientalmente, socialmente e economicamente positivas em suas plantas, produtos e na comunidade.

A embalagem flexível ajuda muito nesta jornada por seu excelente desempenho em termos de otimização de funcionalidade e de melhor uso dos recursos. No documento The Perfect Fit, a FPE (Flexible Packaging Europe – https://www.flexpack-europe.org/en/sustainability/the-perfect-fit.html) mostra que eficácia e eficiência são fatores fundamentais para definir a sustentabilidade de uma embalagem, levando em consideração todos os aspectos da cadeia de valor do produto, a própria embalagem, o consumo e todos os impactos no ciclo de vida. “E a embalagem flexível, mais do que se pensa é a melhor escolha. Isso porque os fabricantes de embalagens e os donos de marca podem atingir o ‘ponto ideal’ que otimiza a eficácia funcional e a eficiência do material. Isso se chama relação perfeita entre produto e embalagem”, explica Gani.

No documento, enfatiza-se ainda o fato da embalagem flexível ser altamente adaptável e um design inteligente garantir ainda mais benefícios de sustentabilidade. Esses benefícios vão desde o tamanho correto para as porções e o refechamento das embalagens para minimizar o desperdício, passando pela impressão de informações que garantam seu uso e armazenamento corretos, até embalagens funcionais, mais leves, que reduzam os impactos de armazenamento, distribuição e transporte.

Por serem mais leves, as embalagens flexíveis também reduzem os impactos ambientais e oferecem vantagens significativas para o armazenamento e transporte dos produtos. “Definitivamente as embalagens flexíveis estão na vanguarda de uma agenda cada vez mais exigente, a das ‘embalagens sustentáveis’. Embora ainda existam alguns entraves na cadeia da reciclagem, a embalagem flexível é a que mais se aproxima da ‘escolha perfeita’ em termos de solução mais sustentável disponível no mercado. E os novos filmes Ecophane surgem para fechar este circuito ao utilizarem uma boa parte das embalagens descartadas pós consumo e poderem ser novamente reciclados”, atesta Marcos Vieira.

Sobre a Terphane
Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui ampla experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa se destaca ainda por uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. Esta característica garante um desempenho único aos filmes Terphane e a coloca como líder de mercado na América Latina e um importante player global. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.